Terça-feira, 15 DE Novembro 2005
Isto começa ao estilo da música do Mário Mata. No sábado passado, pegámos no cão, no gato e no periquito e lá vamos todos até "ao fim do mundo" para vermos um jogo de futebol histórico (lá que teve uma grande história para mim, lá isso teve), segundo os jornais regionais. Metemo-nos ao caminho. Eu, a minha mãe, a minha irmã e uma outra passageira (mistério!!!). Saímos de casa por volta das 13h30m, pois a minha mãe pensava que iria muito mais devagar e não chegariamos a tempo. A viagem correu sem problemas de maior. O único problema foi o caso de ficarmos meios baralhados e não sabermos ao certo em que desvio da via rápida haviamos de sair, mas lá acertámos. Chegados lá, faltava cerca de 90 minutos para o início do jogo. Estivemos a "encher chouriços" dentro do carro, já que a temperatura na rua era um pouco desagradável (basta dizer que estávamos a 800 m de altitude). A temperatura no local do jogo era de 14ºC às 15 horas da tarde, a mesma que nós tinhamos cá em casa às 20 horas. Esperamos cerca de 45 minutos dentro do carro. Lá decidimos sair e procurar a maneira de chegar ao campo onde ia decorrer o jogo. Estávamos a dirigir-nos para a entrada, aparece-nos uma mulher a indicar-nos onde era a bilheteira. Era uma coisa extraordinária, pois a bilheteira funcionava dentro de uma carrinha. Comprámos os bilhetes (eu não paguei, pelo menos isso). Continuamos pelo complexo desportivo dentro e vimos que o campo de futebol ficava no cimo de uma escadaria. Nem ligámos, pois pensámos que haveria outra entrada. Continuámos e vimos uma rampa que tinha uma corrente atravessada, mas que estava baixa. Partimos do princípio que poderiamos passar, quando nos aparece um funcionário a dizer-nos que o único meio para chegar ao campo era através da grande escadaria. Ficámos estupefactos, pois afinal não havia condições para os deficientes assistirem a um jogo. Voltámos para trás e a minha mãe lá andou a ver se aquela era mesmo a única maneira de chegar ao campo. Infelizmente, das permitidas, era a única. No momento em que eu já me convencia que não poderia ver o jogo, aparece um jornalista da Antena 1-Madeira (um senhor chamado David Sousa e a quem agradeço) e pergunta-me se eu não podia ver o jogo. Respondi-lhe que era a primeira vez que lá ia e nem sabia por onde havia de entrar. Ele decidiu ir ver a situação, pouco depois aparece um dirigente do União (o sr. Marcelo a quem também agradeço) que me encaminhou através do acesso por onde não podiamos subir. Colocou-me em lugar privilegiado onde pude ver o jogo sem problemas. Ele também me disse que caso o meu irmão tivesse avisado que nós iamos, eu não teria tido tantos problemas. Mas acabou tudo em bem (tudo em bem não, caso o meu irmão tivesse marcado o golo no primeiro minuto, seria perfeito) e o que vale é que o União ganhou o jogo. Ir à Camacha tornou-se uma "aventura" bem sucedida.
publicado por Zé Luís às 17:29
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Novembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
16
17
19
20
21
23
26
27
28
últ. comentários
Boa sorte, amigo feiticeiro, lol! e nunca digas nu...
Este post já é antigo mas faz todo o sentido! Para...
Era perfeito! Mas não sendo possível, pode ser que...
É! Pelo menos desta vez não houve aquele sofriment...
olá, ... olha tens um desafio no meu blogue para c...
Olá, venho aqui hoje, pra te colocar um desafio, o...
Também acho que tens razão, acima de tudo esses ac...
ahahah está certo!
Hum... não se se ele vai conseguir acabar lá. Quer...
pois, azul e preto há é branco que quero dizer, é ...
blogs SAPO
Olhe as horas, para não perder pitada do jogo
relojes web gratis
Web Counter
No Faxing Payday Loan